29 de novembro de 2021

Como comprar o primeiro apartamento: confira dicas

como-comprar-o-primeiro-apartamento

Comprar o primeiro apartamento é, com certeza, uma das melhores sensações da vida. Confira as detalhes.

O primeiro apartamento é uma grande conquista para qualquer pessoa. Além de ser um bem material de grande valor, comprar um imóvel representa o resultado de uma trajetória de muito trabalho e dedicação. Por isso neste artigo você vai ver como comprar o primeiro apartamento!

Porém, como quase todo mundo já sabe, é necessário ficar atento a alguns pontos, para que a compra seja feita da forma correta. Afinal, a compra de um bem tão importante significa muitos anos de esforço. E errar na escolha não é uma opção. 

Para te ajudar a tudo sair todo planejado, preparamos neste texto do Blog da Arbo dicas especiais para você se atentar. Mas, antes de irmos para as dicas, vamos te mostrar quais são as vantagens de escolher um apartamento para ser a sua casa. 

Comprar apartamento: quais são as vantagens e as desvantagens? 

primeiro-apartamento

Os apartamentos são boas opções para quem deseja ter segurança com o primeiro imóvel. Veja abaixo alguns dos principais benefícios de morar em um condomínio:

Se você acha importante manter uma boa relação com os vizinhos, vai gostar de saber que os condomínios de apartamentos permitem que os moradores socializem com mais frequência, especialmente nas áreas de convivência.

Esse ponto é visto como positivo, também, por moradores que possuem filhos, já que as crianças têm mais chances de conhecer amigos e de brincar sem sair de casa.

A questão da segurança é uma das principais vantagens para os moradores de apartamentos. Isso porque, na maioria das vezes, os condomínios contam com portarias e com equipamentos de segurança, que dão maior proteção aos condôminos.

Agora, já em relação às desvantagens, apesar de seguros, os apartamentos apresentam alguns pontos desfavoráveis para os moradores, como:

Ao morar em um apartamento, o morador deve, acima de tudo, respeitar as regras do condomínio, que têm a função de manter a harmonia entre os condôminos. Desse modo, é necessário respeitar uma série de normas, relacionadas aos barulhos, ao estacionamento de veículos e muito mais.

Por estarem cercados de vizinhos, os moradores de apartamentos não possuem muita privacidade. Isso porque, com a proximidade, é possível que os demais escutem conversas que deveriam ser particulares.

Dicas para não errar na compra do primeiro imóvel

primeiro-apartamento

Após optar pela compra de um apartamento, é necessário ficar atento a alguns detalhes que são fundamentais para que tudo saia como você planejou. Confira abaixo algumas de nossas dicas. 

Defina suas prioridades

O primeiro imóvel é um grande passo na vida. Tanto em relação à vida financeira, quanto em relação à vida pessoal. Por isso, antes de bater o martelo, é necessário que você pense se esse é realmente o momento certo para tomar essa decisão. 

Nesse ponto, é preciso avaliar qual metragem o imóvel deve ter, o número de quartos, bem como verificar se possui área de lazer (se esse item for algo relevante para a família).

Posição de apartamento 

Sabendo que o sol nasce ao leste, esta face tem maior incidência do sol da manhã, enquanto a face oeste recebe o sol da tarde. Fique atento pois há algumas diferenças inclusive de valorização aos imóveis com face norte (maior incidência de sol durante o dia).

Imóvel novo ou usado?

A recomendação é que o primeiro imóvel seja adquirido ainda na planta. Isso porque o comprador pode negociar um valor melhor diretamente com a construtora. Nesse caso, o ponto negativo é a espera pela entrega.

Custos adicionais 

O processo de compra e venda de um imóvel gera uma série de despesas extras com impostos, com documentação, com custos administrativos, com registro de imóvel, entre outros, que podem chegar a representar de 4% a 6% do valor da propriedade. Para que você tenha uma ideia, somente o ITBI varia entre 2% a 3% do valor total do imóvel. Esteja preparado com recurso para esses pagamentos, se for optar por financiamento é possível incluir alguns deles no crédito.

Avalie a localização

A localização é essencial para que a sua escolha seja um sucesso. Por isso,  deve ser avaliada com atenção antes da compra do primeiro apartamento. Escolher uma casa ou um apartamento situado em bom bairro, com boas opções de comércios e com linhas de ônibus ou de metrô nas proximidades pode influenciar – e muito – na qualidade de vida do morador.

Além disso, é necessário considerar a distância entre o imóvel e os locais que fazem parte da rotina dos moradores, como o trabalho e a escola das crianças. O ideal é que o morador escolha um imóvel nas proximidades desses espaços.

Verifique quais são as formas de pagamento

Existem inúmeras maneiras de pagar por uma casa ou por apartamento, o que depende do contrato firmado entre o proprietário e o comprador. É claro que a alternativa mais recomendada é o pagamento à vista, mas, como essa possibilidade não está ao alcance de todos, existem outras opções, como o financiamento imobiliário e o consórcio imobiliário.

Informe-se sobre as taxas do condomínio 

Avalie as taxas de condomínio (Essa questão afeta diretamente seu orçamento mensal, principalmente se for financiar), de IPTU é um ponto a levantar antes da compra, já que é um despesa anual, e analisar também as taxas de consumo mensal.

Conte com a ajuda de um bom profissional 

O profissional, que é devidamente certificado para auxiliar em transações imobiliárias, conhece o mercado e pode auxiliar nas decisões dos compradores.

Não descarte a ajuda de pessoas que estão, de certa forma, tão interados com a realidade do mercado imobiliário da sua região. Não se esqueça: um bom corretor de imóveis, que deve ser confiável, pode te livrar de muitos problemas nesse processo.

Quer mais dicas? Então assista a esse vídeo 10 dicas para escolher um apartamento, publicado no canal Lia Camargo. Nele, a apresentadora pontua, de acordo com suas experiências, alguns pontos que devem ser levados em consideração antes da escolha. 

Assista:

Financiamento no mercado imobiliário: como funciona? 

Se você chegou até aqui e está quase aprendendo como comprar o primeiro apartamento, pode precisar de um financiamento. Por isso, vamos falar agora de como utilizar esse recurso. 

Segundo uma pesquisa realizada pela Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário), o financiamento imobiliário alcançou uma alta histórica em 2020, ao registrar um crescimento de 58% ao longo do ano em comparação ao mesmo período de 2019. A queda da taxa básica de juros, ou Selic, foi fundamental para que houvesse esse recorde. 

Um financiamento imobiliário é quando uma pessoa faz um empréstimo de dinheiro de uma instituição financeira e depois vai quitando mensalmente as parcelas. Assim, o financiamento permite que uma pessoa que não tem o valor suficiente para comprar um imóvel à vista, possa fazer isso através de parcelas. 

Para fazer esse tipo de operação, a pessoa interessada deve cumprir uma série de requisitos, um deles é não poder negociar o imóvel até que todo seu valor tenha sido quitado. 

Existem vários tipos de financiamento, o que pode ser bom para você já que cada um tem uma especificidade.

SHS (Sistema Financeiro de Habitação)

Esse tipo de financiamento imobiliário disponibiliza recursos para compra, reforma e construção de imóveis. É a modalidade mais comum entre os brasileiros. 

Para utilizá-lo, o valor do financiamento deve corresponder até 80% do valor do imóvel, sendo que este deve valer no máximo R$1,5 milhão. Ainda, o comprador deve comprovar que as  parcelas mensais não ultrapassem 30% de sua renda bruta. 

O comprador ainda pode pagar o empréstimo imobiliário com seu FGTS. O governo federal é o responsável por limitar a taxa de juros anual dos financiamentos. 

SFI (Sistema Financeiro Imobiliário)

Esse tipo de financiamento é exclusivo para uma parcela da população que vai negociar imóveis com o valor acima de R$1,5 milhão. Ainda, esse empréstimo pode cobrir o valor de até 90% da casa ou apartamento. 

A avaliação de crédito nessa modalidade é menos criteriosa do que em outras e tem a flexibilidade de permitir que as parcelas a serem pagas possam ser maiores. 

Casa verde e amarela

O programa “Casa verde e amarela” lançado no fim de 2020 pelo Governo Federal substituiu o antigo programa “Minha casa, minha vida”. O foco é facilitar o acesso à moradia para parte da população brasileira. 

As famílias de baixa renda que queiram participar do programa, devem ter renda mensal menor do que R$7 mil. Pelo programa, elas têm o direito de receber até R$140 mil para a compra de um imóvel. Ainda, famílias que querem reformar suas casas podem receber até R$23 mil. 

Gostou das nossas dicas? 

E aí? Para você que estava tentando aprender como comprar o primeiro apartamento,essas dicas foram valiosas?

Se sim, deixe nos comentários o que você mais gostou de saber! Também deixe sugestões de conteúdo que você quer ver aqui no Blog!

Postagens relacionadas

como é morar em curitiba paraná

Tudo o que você precisa saber para morar em Curitiba

Antes de ir morar em Curitiba, saiba onde solicitar a ligação de energia e de água. Também não fique sem internet: veja as dicas da Arbo para morar em Curitiba! Curitiba é a capital do Paraná, que, juntamente com os estados de Santa Catarina e  Rio Grande do Sul, compõe a Região Sul do Brasil. […]

locação de imóveis

Descubra como a Arbo facilita a locação de imóveis

Está em busca de um imóvel para alugar? Confira como os serviços da Arbo podem te ajudar na locação de imoveis.  Para quem está em fase de locação de imóveis, cada detalhe é essencial. A escolha de imóvel perfeito depende de alguns fatores. Comece por onde você faz a sua busca. Por isso, a Arbo […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *