23 de setembro de 2021

Crédito imobiliário: quais taxas considerar?

credito-imobiliário

Quer adquirir um imóvel em 2021 e quer saber quais são as taxas padrões do crédito imobiliário? Saiba tudo sobre o assunto no texto a seguir. 

O crédito imobiliário é uma das principais formas de conquistar um imóvel no Brasil. Com esse dinheiro disponibilizado por instituições financeiras, muitas pessoas conseguem conquistar o sonho da casa própria e, também, investidores conseguem ampliar seus rendimentos. 

Contudo, como em todos os tipos de crédito, o imobiliário também tem suas taxas e seus gastos específicos. E é muito comum que algumas pessoas não saibam exatamente quais são eles. Por isso, neste texto do Blog da Arbo, você vai entender exatamente quais são essas taxas do crédito imobiliário e como fazer para adicioná-las ao valor total do crédito. 

Está pensando em recorrer ao crédito imobiliário? Então confira as informações abaixo. 

credito-imobiliario

O que é crédito imobiliário? 

Como já explicamos na introdução do texto, o crédito imobiliário é uma modalidade de crédito oferecida por instituições financeiras públicas e privadas, com o objetivo de incentivar a aquisição ou a construção de imóveis. Esses empreendimentos podem ser tanto residenciais quanto comerciais. 

Em outubro de 2020, essa modalidade movimentou R$ 13,9 bilhões no mercado nacional, um aumento de 84% em relação ao mesmo mês de 2019. A informação foi divulgada pela Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança).

Esse cenário foi favorecido pela queda da taxa básica de juros, conhecida como Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia), foi a grande responsável pelo reaquecimento do mercado imobiliário no período.

E as previsões continuam otimistas para 2021. Nesse aspecto, a Cbic (Câmara Brasileira da Indústria da Construção) projeta um crescimento entre 5% e 10% do mercado imobiliário neste ano em comparação com a alta registrada em 2020. 

A expectativa é que, mesmo com um leve aumento, as taxas de juros dos financiamentos imobiliários se mantenham em patamares baixos. 

Como funciona o crédito imobiliário? 

O sistema de crédito imobiliário pode ser dividido em duas modalidades: o SFH (Sistema Financeiro de Habitação) e o SFI (Sistema de Financiamento Imobiliário).

SFH (Sistema Financeiro de Habitação)

É o sistema de crédito imobiliário mais comum entre os brasileiros. Os recursos provenientes do SFH podem ser utilizados para a compra, a reforma ou a construção de um imóvel. 

Nessa modalidade, o valor do crédito deve ser de até 80% do total do imóvel. Além disso, a casa ou o apartamento não pode exceder o valor de R$ 1,5 milhão.

A taxa de juros anual dos financiamentos SFH é fixa e limitada pelo Governo Federal. Para usufruir do sistema, o indivíduo deve, além de selecionar um imóvel que se encontre nas condições citadas:

SFI (Sistema Financeiro Imobiliário)

Ao contrário do SFH, o SFI está direcionado a cidadãos com necessidades específicas, que não estão previstas nos demais sistemas, como, por exemplo, para quem deseja financiar um imóvel com o valor acima de R$ 1,5 milhão. 

Além disso, em comparação com o SFH, que concede um financiamento de até 80% do valor do imóvel, o SFI pode chegar a até 90% do valor da casa ou do apartamento. 

O SFI é, também, menos criterioso na avaliação de crédito e, por isso, não estabelece um limite de comprometimento de renda, o que permite que o cliente pague parcelas com valores maiores. 

credito-imobiliario

Como calcular as taxas do crédito imobiliário? 

A conta das taxas e das parcelas do crédito imobiliário envolve algumas variáveis. Algumas das principais são: renda mensal familiar, valor de entrada, utilização ou não do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) no valor de entrada, prazo de financiamento imobiliário, taxa de juros, idade do interessado e valor do imóvel. 

O segundo passo é ter em mente que existem duas formas para realizar a amortização de parcelas: a Price, na qual as parcelas são sempre iguais no decorrer do financiamento e a SAC,sistema de amortização constante, na qual os valores de parcelas são sempre decrescentes porque os juros sempre serão calculados em cima do saldo devedor restante. 

Entretanto, quais taxas são essas? É a quantia que vai servir como uma espécie de “comissão” para quem está te emprestando dinheiro. No geral, elas são calculadas com base em taxas definidas pelo governo. 

Como, por exemplo, a Selic (a taxa básica de juros). Quanto mais baixas essas taxas ficam, mais as taxas de financiamento tendem a cair. Com o crédito mais barato, o consumidor consegue financiar um imóvel de um padrão maior que antes com o mesmo valor.

Para explicar melhor, a Selic é a taxa básica de juros da economia e também um indicador essencial para quem investe. E justamente por ser considerada a taxa básica de juros, a Selic tem o poder de influenciar os juros de toda a economia do Brasil, uma vez que é utilizada em operações do Governo Federal e de bancos públicos e privados.

Agora, voltando ao crédito imobiliário, para fazer o cálculo de parcelas da maneira correta, vamos dar a um exemplo prático: 

Uma pessoa está recorrendo a um crédito imobiliário de R$ 400 mil que será pago em 360 vezes com juros de 10% ao ano e amortização de R$ 1.111,11. (R$ 400 mil dividido por 360).  

Os juros devem ser somados à parcela, os quais correspondem a 10% e que serão divididos em 12 meses. Então temos:

10 × 12 / 100 = 0,0083% ao mês

R$ 400 mil × 0,0083% = R$ 3.320,00

R$ 3.320,00 + R$ 1.111,11 = R$ 4.431,11

A esse valor total ainda pode ser adicionado as taxas de seguro e de administração do financiamento. Para definir o cálculo com uma fórmula exata, podemos fazer: 

“Valor financiado = [{1 – (1+ taxa de juros) – prazo}/ juros] x valor da prestação”. 

credito-imobiliario

Vantagens e desvantagens do crédito imobiliário

Agora que você já sabe como funciona o crédito imobiliário, que tal saber um pouco mais sobre as vantagens e as desvantagens de recorrer a essa modalidade? Confira abaixo. 

Vantagens do crédito imobiliário

Como já citamos acima, o crédito imobiliário atrai tanto quem deseja realizar o sonho da casa própria quanto investidores que desejam obter lucro com o imóvel. 

No primeiro caso, a principal vantagem é simples: a concretização de um objetivo e a oportunidade de não pagar mais aluguel. Muitas vezes o valor da parcela é menor do que o valor do aluguel e isso deve ser levado em consideração na hora de colocar na balança com qual dos dois ficar. 

Além disso, o crédito imobiliário, caso usado para a compra de um imóvel, se mostra bastante vantajoso porque permite, logo após a aprovação, a habitação imediata do imóvel – exceto em casos em que o imóvel é comprado ainda na planta. 

Já para o investidor, a vantagem está relacionada à valorização do imóvel com o passar do tempo. Além disso, após comprar o imóvel, ele pode rentabilizar a propriedade de várias formas, como por meio da locação ou da revenda.

Desvantagens dos financiamentos imobiliários

Claro que a modalidade do crédito imobiliário também passa por algumas desvantagens. A principal delas são as taxas. Como explicamos neste texto, existem alguns custos a mais que as pessoas que recorrem a essa modalidade precisam arcar para conquistar o crédito. 

Outra questão é que essas taxas flutuam conforme a realidade econômica do país, portanto, é importante estar atento a esses números para não fazer a escolha de recorrer ao crédito no momento errado. 

Os compradores precisam ficar atentos ao processo de crédito imobiliário. Lembre-se: essa modalidade consiste em uma dívida que pode durar por muitos anos. Desse modo, é necessário ter certeza de que será capaz de arcar com os custos durante todo o período. 

Quer saber mais sobre as vantagens e desvantagens do crédito imobiliário? Confira o vídeo a seguir. Nele você fica sabendo um pouco mais sobre as principais taxas da modalidade e quais são os passos que você irá precisar realizar durante o processo. 

Gostou das nossas dicas sobre crédito imobiliário? 

Agora que você já sabe todas as taxas e oportunidades que o crédito imobiliário traz para você, pode considerar essa possibilidade de começar agora mesmo e se tornar um investidor imobiliário. 

Deixe para a gente a visão sobre o conteúdo apresentado neste texto. Não se esqueça de nos contar qual a sua opinião e suas expectativas sobre o cenário atual do mercado imobiliário e suas considerações sobre os investimentos em imóveis.

O Blog da Arbo possui inúmeros artigos que podem ser úteis para você, como as informações que você precisa saber para ser um corretor de imóveis e dicas para decorar sua casa ou apartamento – o que pode ser uma boa ideia para aumentar o valor de venda de seu imóvel. Não deixe de conferir!

Conheça, também, a Central de Ajuda da Arbo, que pode te auxiliar em diversos temas do cotidiano, como a emissão da segunda via de faturas e os melhores provedores de internet das principais cidades do Brasil.

E, para começar a investir em imóveis e para anunciar seu imóvel de forma totalmente gratuita, a indicação é visitar o Portal da Arbo. Lá você encontra diversos imóveis disponíveis para venda e, também, informações sobre como anunciar sua propriedade para venda ou para locação.

Postagens relacionadas

Decoração Glam

Decoração Glam: descubra tudo!

Você conhece o estilo de decoração Glam? Saiba como você pode implantá-lo no seu lar neste artigo.  Por algum tempo, a decoração Glam foi ligada apenas às altas classes sociais da nossa sociedade. Mas, nos últimos tempos, o estilo tem ganhado força e virou uma das grandes tendências. Passando por um intenso processo de valorização […]

carreto-e-mudança

Quais são as diferenças entre carreto e mudança?

Os serviços de carreto e mudança possuem algumas distinções importantes entre si. Antes de se mudar, saiba qual tipo de transporte faz mais sentido neste momento de sua vida. O processo de mudança leva em conta várias etapas que devem ser planejadas com sabedoria para facilitar a transição. Uma delas é o transporte de móveis […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *