27 de setembro de 2021

O que saber antes de comprar o primeiro apartamento

como comprar o primeiro apartamento

Está pensando em comprar o primeiro apartamento? Veja algumas dicas que vão deixar todo o processo bem mais fácil!

Comprar o primeiro apartamento é um momento dos mais especiais, não só pelo valor elevado, mas por ser a representação marcante em uma trajetória de muito trabalho e dedicação. Contudo, existem alguns cuidados indispensáveis para que o sonho não vire uma grande dor de cabeça. 

Por isso, o Blog da Arbo preparou este post para te ajudar a fazer as melhores escolhas. Vamos começar discutindo as vantagens e desvantagens de comprar um apartamento. Em seguida, você verá várias dicas para todas as etapas até a assinatura do contrato. Confira!

Vantagens de comprar um apartamento

Uma dúvida frequente em quem está pensando em comprar o primeiro imóvel é se vale mais a pena comprar uma casa ou um apartamento. Nesse tópico, vamos destacar alguns benefícios que um apartamento oferece.

Praticidade

Cuidar de um apartamento é muito mais fácil que cuidar de uma casa, pois você só tem que limpar os cômodos internos. Toda a área externa é cuidada por funcionários do condomínio. Além disso, só por ficar mais distante da rua, um apartamento tende a acumular menos poeira que uma casa.

Acessibilidade

Outro ponto positivo é que os condomínios costumam ficar em áreas privilegiadas da cidade, com fácil acesso a diversos serviços. Mesmo quando ficam mais distantes, eles acabam atraindo muitos investimentos para o bairro ao longo do tempo, impulsionando seu desenvolvimento e sendo cada vez mais valorizados. 

Sociabilidade

Dependendo do caso, morar em um apartamento pode ser uma boa para quem tem crianças, já que elas podem brincar com outras sem ter que sair do condomínio. Além disso, as áreas comuns, como piscinas, quadras e academias são bons lugares para promover a interação entre os moradores.

Infraestrutura completa

A qualidade de vida é um fator muito valorizado por quem mora em um apartamento, já que os condomínios oferecem todo tipo de estrutura de lazer aos moradores. Muitos deles tem amplas áreas verdes, quadras poliesportivas, salões de festas, churrasqueiras, piscinas, espaços para animais de estimação, playgrounds e outros benefícios.

Obviamente, é impossível ter tudo isso em uma casa, a menos que ela faça parte de um condomínio fechado. Se você quer morar em uma casa e faz questão de ter esse tipo de facilidade sempre por perto, vai ter que procurar um bairro muito desenvolvido.

Custos de manutenção divididos

Quando há necessidade de algum tipo de manutenção relacionada à infraestrutura do condomínio, todos os moradores contribuem para compor o valor necessário. Além disso, todo o trabalho de manutenção rotineira nas áreas comuns é feito por prestadores de serviços.

Quando há qualquer problema, o morador de um apartamento só precisa informar ao síndico. Quem mora em uma casa precisa resolver essas situações por conta própria.

Apartamento: dicas para uma boa compra

Já que você já se decidiu por comprar seu primeiro apartamento, aqui vão algumas dicas para se preparar e tornar todo o processo bem mais fácil:

Defina suas prioridades

Antes de escolher o imóvel, é interessante refletir sobre as características que ele precisa ter para atender suas necessidades atuais e futuras. Pense em aspectos como metragem, número de quartos, vagas de garagem e áreas de lazer (se esse item for algo relevante para a família). 

Posição do apartamento 

Sabendo que o sol nasce ao leste, esta face tem maior incidência do sol da manhã, enquanto a face oeste recebe o sol da tarde. Fique atento pois há algumas diferenças inclusive de valorização aos imóveis com face norte, que recebem maior incidência de sol ao longo do dia.

Apartamento novo ou usado?

Como esse será seu primeiro imóvel, pode ser interessante pensar em um apartamento na planta, já que essa opção permite negociar um valor melhor diretamente com a construtora. Nesse caso, o aspecto negativo é a espera pela entrega. 

Custos adicionais 

Comprar um imóvel envolve despesas com impostos, documentação, custos administrativos e registro do imóvel, entre outros. Esses fatores podem representar entre 4% e 6% do valor da propriedade. Só o ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis) varia de 2% a 3%.

Formas de pagamento

As principais maneiras de pagar por um imóvel são o financiamento imobiliário e o consórcio imobiliário. Cada modalidade tem características bem específicas e você encontrará várias instituições financeiras oferecendo esse tipo de serviço. Para conhecer melhor o tema, dê uma olhada no nosso post sobre a diferença entre consórcio e financiamento.

Como financiar um apartamento? 

financiamento de imóveis

Segundo uma pesquisa realizada pela Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário), o financiamento imobiliário alcançou uma alta histórica em 2020. Houve crescimento de 58% ao longo do ano em comparação ao mesmo período de 2019. No Brasil, o Governo Federal oferece algumas maneiras de facilitar o financiamento.

SHS (Sistema Financeiro de Habitação)

Esse tipo de financiamento imobiliário disponibiliza recursos para compra, reforma e construção de imóveis. É a modalidade mais comum entre os brasileiros. Para utilizá-lo, o valor do financiamento deve corresponder até 80% do valor do imóvel, sendo que este deve valer no máximo R$1,5 milhão. 

Além disso, o comprador deve garantir que o valor das parcelas mensais não ultrapasse 30% de sua renda familiar bruta. O comprador também pode usar seu FGTS como parte do pagamento.

SFI (Sistema Financeiro Imobiliário)

Esse tipo de financiamento é exclusivo para uma parcela da população que vai negociar imóveis com o valor acima de R$1,5 milhão. Ele pode cobrir até 90% do valor da casa ou apartamento. A avaliação de crédito nessa modalidade é menos criteriosa do que em outras e permite que as parcelas comprometam um percentual maior da renda. 

Casa verde e amarela

O programa “Casa verde e amarela” lançado no fim de 2020 pelo Governo Federal substituiu o antigo programa “Minha casa, minha vida”. O foco é facilitar o acesso à moradia para parte da população brasileira. 

As famílias de baixa renda que queiram participar do programa, devem ter renda mensal menor do que R$7 mil. Pelo programa, elas têm o direito de receber até R$140 mil para a compra de um imóvel. Ainda, famílias que querem reformar suas casas podem receber até R$23 mil. 

Como funciona o financiamento imobiliário?

Como funciona o financiamento imobiliário

Todo o processo de financiamento pode ser dividido em uma série de etapas que, em média, demoram 40 dias para serem concluídas. Veja um resumo do passo a passo para comprar seu primeiro apartamento:

Análise de crédito

Primeiramente, a instituição financeira vai avaliar seu perfil para determinar o valor máximo que pode ser financiado. Para isso, ele vai solicitar os seguintes documentos:

  • Originais e cópias do RG e do CPF;
  • Comprovante de renda;
  • Comprovante de estado civil.

Em relação aos comprovantes de renda, são aceitos holerites, declarações do imposto de renda e extratos bancários. Para profissionais autônomos, é permitida a apresentação de contratos de prestação de serviços ou recibos de trabalhos realizados recentemente. Além disso, também é aceita a Declaração Comprobatória de Recepção de Rendimentos (Decore).

Para ambulantes, diaristas, trabalhadores rurais ou qualquer pessoa que não tenha um conta bancária, as instituições costumam solicitar o preenchimento de uma ficha de cadastro. 

É importante reforçar que, na maior parte dos financiamentos, o valor das parcelas não pode ser maior que 30% da sua renda familiar mensal. Além disso, os bancos também vão conferir se o seu nome está no cadastro de inadimplentes de órgãos como o Serasa. Se tudo estiver certo, o seu crédito será aprovado com um certo prazo de validade. 

Acompanhe as novidades do Blog da Arbo!


Cadastre-se e receba por e-mail nossa newsletter com tudo que você quer saber sobre imóveis. É grátis!

Avaliação do imóvel

Com o crédito pré-aprovado, você já pode procurar o imóvel dos seus sonhos. É interessante que você já tenha algumas opções em mente e hoje, com a ajuda da tecnologia, é muito fácil encontrar algo que se encaixe no seu perfil. O Portal Arbo, por exemplo, mostra as melhores opções em centenas de cidades e permite fazer toda a negociação online.

O imóvel escolhido precisa passar por uma vistoria, que será realizada por um engenheiro ou um arquiteto designado pelo banco. Esse profissional será responsável por elaborar um laudo técnico comprovando a qualidade do imóvel e garantindo que o valor dele está de acordo com o que é praticado no mercado.

Elaboração do contrato

Em seguida, é o momento em que o banco analisa toda a documentação do comprador, do vendedor e do imóvel. Isso é importante para garantir a segurança jurídica da transação para todos os envolvidos. Após esse período de análise, você receberá o contrato de compra e venda.

Registro do imóvel

A última etapa do processo é o registro do contrato em cartório. O documento deve ser devolvido ao banco, que fará uma última análise e, finalmente, vai liberar o dinheiro a ser pago ao vendedor. A primeira parcela do financiamento vence 30 dias depois da assinatura do contrato. 

Com toda a documentação pronta, você já pode já pode preparar a mudança para o primeiro apartamento. Como você viu, o procedimento é um pouco trabalhoso, mas dá para deixar tudo mais rápido e fácil. Com a Arbo, você faz toda a parte burocrática 100% online, da procura pelo imóvel até a assinatura do contrato

Postagens relacionadas

fundo-de-investimento-imobiliário

Fundo de investimento imobiliário: como investir

O fundo de investimento imobiliário é uma das possibilidades para quem deseja investir. Nesse texto você confere as vantagens desse investimento e, também, como ingressar no setor O FII (Fundo de Investimento Imobiliário) é uma das principais formas de investir recursos financeiros atualmente. Com essa modalidade, é possível obter lucros por meio da locação de […]

como é morar em jundiaí

O que saber antes de morar em Jundiaí

Se você planeja se mudar e morar em Jundiaí, precisa conhecer a cidade ao máximo. Nesse texto você vai conferir tudo que precisa saber antes de arrumar as malas para a mudança Com a pandemia de covid-19, muitas pessoas tiveram a oportunidade de trabalhar de forma remota e, com isso, decidiram sair de grandes centros. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *