14 de junho de 2022

Segurança no condomínio: conheça os procedimentos

segurança no condomínio

A segurança no condomínio depende da atuação conjunta de moradores e funcionários. Saiba o que é necessário para uma política de segurança eficaz!

A segurança pública é um dos principais problemas do país e, como consequência, muita gente prefere morar em condomínios para se prevenir. Para isso, o local precisa ter uma boa infraestrutura, profissionais capacitados e regras de segurança bem definidas. Mesmo assim, tudo isso só é efetivo quando os moradores agem de forma consciente para evitar riscos.

Neste artigo do Blog da Arbo, você conhecerá os elementos básicos para implementar uma boa política de segurança em seu condomínio. São fatores que atuam em conjunto para cobrir os pontos de vulnerabilidade do local e reduzir consideravelmente o risco de qualquer situação desagradável. Confira!

Elaborar um manual de segurança no condomínio

O pior erro que pode comprometer a segurança no condomínio é não ter regras claras, já que isso inviabiliza todos os demais procedimentos. Para começar, é indispensável ter um documento que descreva em detalhes os cargos e responsabilidades de cada funcionário da equipe de segurança. 

Também devem existir normas sobre o controle de acesso na portaria, as formas de utilizar os equipamentos de segurança e toda a orientação sobre como atuar caso haja algum problema. É necessário incluir instruções claras para que cada um saiba como agir quando um alarme for disparado, por exemplo.

O manual também precisa ter uma lista de contatos úteis. Ela deve conter os meios para acionar a polícia, o corpo de bombeiros, os serviços de atendimento de emergência e as empresas responsáveis pelos dispositivos de segurança e outros equipamentos, como os elevadores. O manual deve estar acessível a qualquer morador na portaria do condomínio.

Treinar os funcionários

Com regras bem definidas, já é possível treinar os funcionários para que todos conheçam muito bem os procedimentos e sejam capazes de executá-los sem dificuldades quando necessário. Essa capacitação, além de aperfeiçoar a segurança no condomínio, evita situações constrangedoras envolvendo moradores, visitantes e prestadores de serviço.

Cabe aos síndicos e administradores executar tarefas mais amplas, como criar um cronograma de reuniões de orientação para os moradores e funcionários. Esses encontros devem ser recorrentes para assegurar que todos conheçam bem as práticas recomendadas. Também cabe a eles manter um registro com dados de identificação dos moradores e seus veículos.

Como mencionamos acima, cada funcionário terá diferentes atribuições em relação às normas. Um dos pilares do esquema de segurança no condomínio é o porteiro. Entre as principais regras que ele precisa seguir, podemos citar:

  • Exigir identificação de prestadores de serviço e avisar o condômino antes de permitir o acesso ao condomínio;
  • Identificar visitantes e avisar aos condôminos sobre eles antes de autorizar a entrada;
  • Para serviços de entrega, chamar o condômino para receber a encomenda na portaria;
  • Abrir os portões de acesso para entrada e saída de moradores apenas quando tiver certeza de que não há qualquer movimentação suspeita por perto.

Quanto aos zeladores, as atribuições se referem mais ao bom senso em termos comportamentais e ao cumprimento das normas de segurança dentro do condomínio. Eles devem estar preparados para entrar em contato com a polícia, os bombeiros ou os serviços de emergência assim que qualquer emergência for percebida. 

A zeladoria também é responsável pelo acesso de prestadores de serviço às áreas comuns, portanto, deve conferir se eles têm hora marcada e foram listados pela empresa responsável pelo serviço.

Investir em infraestrutura

sistemas de segurança para condomínio

Para assegurar níveis mais altos de segurança no condomínio, é essencial que haja algum investimento em soluções tecnológicas de apoio, as quais tornam o serviço da equipe de segurança mais efetivo. Pensando nos custos, é bem fácil constatar que negligenciar esse tipo de cuidado pode sair bem mais caro que um sistema sofisticado.

Por isso, embora muitos condôminos possam reclamar desse aspecto em um primeiro momento, a relação custo-benefício logo será percebida como muito positiva. 

Para condomínios menores, até mesmo os sistemas de segurança mais simples podem trazer resultados altamente satisfatórios. Instalar câmeras de segurança e investir em uma boa iluminação, por exemplo, já ajuda bastante.

Por falar em câmeras, o CFTV (Circuito Fechado de Televisão) é uma estratégia bastante eficaz porque assegura acompanhamento 24 horas. Por meio dele, é possível notar movimentações suspeitas dentro do condomínio e nos arredores. 

Esquemas mais sofisticados podem lançar mão de softwares específicos para gestão de condomínios. Além de fortalecer a segurança no condomínio, eles aprimoram as linhas de comunicação com os moradores com ferramentas online e podem melhorar o controle de entrada e saída de visitantes.

Isso é feito por meio da instalação de dispositivos que trocam dados entre si o tempo todo e atuam de forma integrada para cobrir qualquer tipo de vulnerabilidade com rapidez. Hoje já é possível, por exemplo, disponibilizar as imagens das câmeras de segurança para acompanhamento pelos computadores, tablets e celulares em tempo real. 

A lista com os dispositivos de segurança mais utilizados em condomínios inclui:

  • registro detalhado do fluxo de pessoas e veículos;
  • envio e recebimento de mensagens de áudio e vídeo
  • monitoramento ao vivo com câmeras em pontos estratégicos;
  • luminárias de emergência em corredores escadas e estacionamentos para casos de queda de energia;
  • alarmes conectados a sensores de movimento.

Fazer a manutenção preventiva

Apesar de serem extremamente úteis, os aparatos de segurança estão sujeitos a falhas quando não recebem os cuidados adequados. Por isso, é fundamental garantir a manutenção preventiva de portões eletrônicos, cercas elétricas, câmeras e demais equipamentos. 

Também é interessante coletar periodicamente avaliações dos moradores quanto aos dispositivos e às de segurança no condomínio. Assim, certos problemas que ocorrem no dia a dia podem ser mapeados e resolvidos de forma mais simples, seja com ajustes nos procedimentos ou com a solução de dificuldades técnicas.

Receba nossos novos conteúdos por e-mail!


Cadastre-se na newsletter semanal do Blog da Arbo, com tudo que você quer saber sobre imóveis. É grátis!

Conscientizar os moradores

Por último, é sempre válido ressaltar que nenhum sistema de segurança atinge seu nível máximo de eficácia quando não há colaboração dos moradores. É crucial que os condôminos conheçam as normas e, principalmente, compreendam porque elas são tão importantes.

Muitos incidentes acontecem quando pessoas mal intencionadas percebem brechas na segurança causadas por descuidos dos moradores. Por isso, é necessário implementar uma cultura voltada para a segurança que envolva todos os condôminos. Cada um precisa ter em mente que tem um papel a cumprir em benefício próprio e dos demais.

A lista de recomendações para os condôminos pode conter os seguintes itens:

  • participação nas reuniões de condomínio sobre segurança;
  • precauções ao abrir a porta da casa ou do apartamento;
  • evitar abrir os porões da entrada de veículos a distâncias muito longas, algo que facilita a entrada de estranhos;
  • sempre trancar a porta do apartamento quando sair e evitar deixá-la aberta quando estiver em casa;
  • estabelecer uma relação respeitosa com os vizinhos e manter canais de comunicação para situações de risco;
  • instalar dispositivos de segurança no apartamento;
  • receber entregas na portaria, não no próprio apartamento;
  • não deixar as chaves ou cópias delas com funcionários do condomínio ou moradores que não sejam próximos;
  • não deixar as chaves ou cópias delas em supostos “lugares secretos”, pois elas podem ser encontradas por alguém desconhecido;
  • evitar conversas muito pessoais na presença de funcionários e moradores que não sejam próximos, como o lugar onde guarda o dinheiro ou seus horários de saída e chegada.

Ao implementar os procedimentos apresentados ao longo deste artigo, vai ser bem mais fácil garantir a segurança no condomínio. Vale destacar que é indispensável contar com o auxílio de profissionais especializados, especialmente para a instalação de sistemas de segurança mais sofisticados para as áreas comuns.

Quer se aprofundar no tema? Então continue no Blog da Arbo e confira nosso post com tudo que você precisa saber sobre as atribuições do síndico em um condomínio.

Postagens relacionadas

comprar a casa própria

Como comprar a casa própria: confira o passo a passo

Está pensando em comprar a casa própria? Veja como se preparar para esse momento e lidar com toda a parte burocrática de um jeito mais fácil! Comprar a casa própria é o grande sonho de muita gente. O novo imóvel é a representação de uma nova fase, seja para quem vai morar sozinho, para quem […]

comprar apartamento na planta

5 vantagens de comprar apartamento na planta

Está pensando em comprar um apartamento na planta? Conheça os benefícios desse tipo de negócio e aprenda a escolher a melhor opção! Os imóveis na planta são aqueles adquiridos por meio de construtoras e incorporadoras. Comprar um apartamento na planta significa investir em um empreendimento que ainda está em fase de construção ou ainda nem […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *