26 de maio de 2024

Financiamento pelo SBPE tem queda de R$7 bilhões

Edição Arbo 360 Capa Superlógica Imobiliárias

☕ Pegue seu café, porque está na hora de ler sua atualização semanal sobre o mercado imobiliário.

Nesta edição, destacamos que, no primeiro trimestre, o montante de financiamentos pelo SBPE, a principal fonte de crédito imobiliário, foi R$ 7 bilhões menor do que o liberado no mesmo período do ano passado. Além disso, abordamos que o alto custo do aluguel é um dos responsáveis pelo déficit habitacional no país.

Boa leitura!

Financiamento pelo SBPE tem queda de R$7 bilhões

Financiamento imobiliário cai 17%

Os financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas SBPE tiveram uma queda de 17,3% no primeiro trimestre deste ano em comparação com o mesmo período de 2023.

➡️ Com essa redução, o total financiado foi de R$ 33 bilhões, o que representa uma diminuição de cerca de R$ 7 bilhões em comparação com o ano anterior.

👍 Resultado de março é positivo

Apesar da queda no trimestre, o mês de março apresentou resultados satisfatórios. No período, os financiamentos imobiliários via SBPE somaram R$12,9 bilhões. Isso representa:

📈 Crescimento de 23,3% em relação a fevereiro;

🏠 Mais de 40 mil imóveis financiados.

A recuperação do crédito no terceiro mês do ano pode ser vista com bons olhos, pois, de acordo com a série histórica da Abecip, os valores financiados no segundo trimestre do ano geralmente superam os do primeiro trimestre. 👀

Governo pretende ampliar crédito imobiliário

Já que estamos falando sobre a redução do financiamento através de recursos da poupança, o governo federal anunciou que vai ampliar o papel da Empresa Gestora de Ativos (Emgea) como securitizadora no mercado imobiliário.

A ideia é que a Emgea adquira os créditos presentes nos balanços das instituições financeiras e, posteriormente, os revenda a investidores interessados nesse tipo de ativo. Essa medida visa:

💰 Liberar espaço no balanço dos bancos;

🏠 Permitir que eles ofereçam mais crédito a brasileiros que não se encaixam nos programas habitacionais populares;

💵 Suprir a queda da captação da poupança.

Aluguel é o principal responsável pelo déficit habitacional

Na última quarta-feira, 24, foi divulgado um estudo da Fundação João Pinheiro (FJP), em parceria com a Secretaria Nacional de Habitação, sobre o cenário de déficit habitacional no país. Segundo o levantamento:

➡️ O déficit habitacional do Brasil ultrapassa 6,2 milhões de domicílios.

➡️ Mais da metade dos moradores de imóveis nessa condição direcionam mais de 30% da renda para o pagamento do aluguel.

➡️ O Sudeste é a região do Brasil com o maior número de domicílios em situação de déficit habitacional, com mais de 2 milhões de moradias classificadas dessa forma.

⚠️ É importante ressaltar que a pesquisa considera como déficit habitacional as residências com certo nível de precariedade, lares em que há coabitação ou que os moradores recebem até 3 salários mínimos e destinam mais de um terço da renda para o pagamento do aluguel. 🤳 Leia o estudo na íntegra

Financiamento pelo SBPE tem queda de R$7 bilhões

VGV de Goiânia cresce 126% em 10 anos

O VGV de Goiânia registrou um salto de 126% na última década, passando de R$ 2,6 bilhões em 2014 para quase R$ 6 bilhões em 2023. Essa cifra já representa o terceiro valor geral de vendas do Brasil, ficando atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro.

Mas o que explica o crescimento do mercado imobiliário goiano?

O agronegócio! 🌱

➡️ Entenda como isso acontece

  • A economia de Goiânia é impulsionada pelo agronegócio, que cresceu 15% entre 2022 e 2023, conforme dados do IBGE.
  • Com isso, muitos empresários do ramo decidem morar ou transferir a sede dos escritórios para a cidade, movimentando o mercado imobiliário.

💎 Boom em Goiânia é marcado pelo luxo

O aquecimento do setor em Goiânia está sendo acompanhado por um aumento no padrão de qualidade dos imóveis, já que os milionários do agronegócio buscam alta qualidade, exclusividade e luxo nos investimentos.

🤑 Curiosidade: o metro quadrado do segmento de luxo na cidade é de R$ 13 mil, enquanto, em São Paulo, o valor supera os R$ 20 mil.

Metro quadrado de luxo sobe 8% em SP

Ainda falando do mercado de luxo, recentemente, a Abrainc divulgou um estudo sobre esse segmento na cidade de São Paulo.

Confira os principais resultados:

💰 VGV médio lançado

Houve um crescimento de 30% no VGV médio lançado, na comparação entre 2020 e 2023. No último ano, o valor superou os R$ 10 bilhões.

📈 Valor do metro quadrado

O preço do metro quadrado de luxo na capital paulista subiu 8% em 2023, atingindo um valor médio de R$ 25.737

🏠 Bairros com metro quadrado mais caro

Indianópolis e Moema, localizados na Zona Sul, são os bairros com o metro quadrado mais caro de São Paulo. Os valores médios são de R$ 31 mil e R$ 26 mil, respectivamente. 

📊 Participação no mercado imobiliário

Embora represente apenas 2% das unidades lançadas, o mercado de luxo é responsável por 28% do VGV em toda a cidade.

Financiamento pelo SBPE tem queda de R$7 bilhões

Fábrica automatizada produz até 4 mil imóveis por ano

No início deste mês, foi inaugurada a primeira fábrica automatizada de construção de prédios do Brasil, localizada no interior do Paraná, que permite a produção em escala.

🏭 Expectativa: Em 2026, quando a fábrica operar com 100% de sua capacidade, a novidade será capaz de produzir até quatro mil apartamentos por ano.

👀 Expansão à vista: Outras 20 fábricas devem ser lançadas no país até 2029 em Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Goiás.

🏗️ Como funciona  

A fábrica de construção segue o mesmo princípio da linha de montagem utilizada na indústria automotiva.

Ao final da produção, as estruturas pré-moldadas de paredes, lajes e pisos saem prontas, com a parte hidráulica e elétrica já integradas na estrutura.

🌳 Esse modelo de construção é mais sustentável

A descarbonização é uma das principais preocupações da construção civil, e as fábricas desempenham um papel importante nessa questão por um motivo simples: a construção pré-moldada tem menor emissão de carbono em comparação com os métodos tradicionais.

⏯️ Assista: O desafio da descarbonização do mercado imobiliário foi apresentado na primeira edição do Inman Connect 2024, um dos principais eventos mundiais do setor.

Além disso, o desperdício gerado pelas fábricas é menor do que o da construção convencional. Confira o comparativo:

➡️ Construção tradicional: 15% a 30% de desperdício;

➡️ Construção pré-moldada: 3% de desperdício.

🔎 Implantação ainda é um desafio

Embora a construção pré-moldada seja mais rápida, o custo e os requisitos para a implantação de uma fábrica desse tipo ainda são desafiadores por estes motivos:

💰 A construção pré-moldada é considerada uma venda de materiais, sujeita à incidência de IPI e ICMS, além dos tributos tradicionais da construção, o que afeta os custos da operação;


➡️ Para que a produção seja economicamente viável, o projeto a ser construído precisa comportar, no mínimo, 1.000 apartamentos e estar localizado em um raio de até 300 km da fábrica.

Até a próxima edição! 👋 

Enquanto isso, acompanhe nossos conteúdos nas redes sociais para receber atualizações sobre o dia a dia da imobiliária.

Youtube | Instagram | Linkedin 

Financiamento pelo SBPE tem queda de R$7 bilhões

Ellen Ramos Cardoso
Ellen Ramos Cardoso

Ellen é jornalista e traz consigo uma bagagem que combina experiências em agências de comunicação, assessoria e jornais. É responsável pelos conteúdos aqui do blog e da Arbo 360º, com o compromisso de ajudar gestores e imobiliárias a descomplicar suas rotinas e impulsionar os resultados.

Postagens relacionadas

Arbo 360 giro de notícias mercado imobiliário

Número de inquilinos inadimplentes recuou em janeiro

Bem-vindos a mais uma edição da Arbo 360º, a newsletter que te mantém em dia sobre o mercado imobiliário! No Giro pelo Brasil, trazemos as atualizações do nosso Índice de Inadimplência Locatícia com dados de janeiro e mostramos que quem está em busca de um imóvel para locação em Porto Alegre, Rio de Janeiro e […]

arbo 360 5

Arbo 360º [5º edição]: queda de preços, reforma tributária, tendências para locação e mais!

Nesta edição, trouxemos um panorama do mercado imobiliário em São Paulo, abordando a tendência de desvalorização em certas áreas da cidade.  Além disso, destacamos como a Reforma Tributária pode impactar o setor e a importância do contrato de corretagem para garantir segurança tanto para imobiliárias quanto para corretores.  E, é claro, não deixamos de incluir […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *