painel captação de recuros
MERCADO IMOBILIÁRIO

Captação de recursos – Empreendedorismo e Startup

Manoel Gonçalves, CEO da Arbo e empreendedor do mercado imobiliário há 12 anos, participou do painel Captando recursos da edição do Londrina Innovation Summit 2019 e contou sua experiência na fase de captação de fundos de investimento para a Arbo.

Ao longo de todos estes anos de experiência no mercado imobiliário londrinense, vendendo e alugando imóveis, Manoel conta que foi possível conhecer de perto a dor do cliente, e assim criou o seu propósito enquanto empreendedor: diminuir esta dor durante todo o processo de compra e locação de um imóvel.

Conhecendo a dor do cliente

É importante entender o que o cliente quer e o que ele precisa, muitas vezes, o seu produto ou serviço soluciona um problema que existe, mas não conversa nem corresponde à necessidade do usuário final. Então sua ideia não é rentável.

A dor do cliente durante o processo de aquisição de um produto ou serviço pode ser observado também fora do mercado imobiliário. 

Manoel Golçalves, CEO Arbo

A partir deste fato, muitas das novas empresas e startups, encontram na tecnologia a possibilidade de melhorar a experiência do cliente durante todo o processo de compra: desburocratizando os processos e deixando mais acessível a resolução de qualquer problema cotidiano.

Em sua vivência, nosso CEO se inspirou principalmente em empresas que levam a experiência do cliente como o seu principal objetivo: A Arbo surge para melhorar a experiência e os processos do mercado imobiliário.

Veja também: Arbo é um sistema integrado para imobiliárias e incorporadoras.

O que é a Arbo?

Manoel apresenta a Arbo como uma plataforma B2B2C que oferece serviço para imobiliárias e incorporadoras, entenda:

O cliente que busca a Arbo deseja transformar seus processos internos (B2B) e externos (B2C). Explicando como a Arbo funciona, ele acrescenta que temos o papel de apoiar as imobiliárias e incorporadoras a terem uma navegação completa pelo funil de vendas através de uma plataforma all in one. Assista o vídeo:

Onde a Arbo se encontra hoje?

Após o processo de crescimento da startup, estamos passando pelo momento de captação de recursos, que é a abertura da porta para o venturing capturing.

Manoel conta que o processo de venturing capturing funciona como tirar o negócio do chão. É algo árduo e agoniante para toda a equipe, comenta. Quando chega a hora da startup captar o recurso o empreendedor deve estar muito embasado. Existem habilidades que se tornam grandes diferenciais neste processo, e sobre isso, Manoel afirma que como empreendedor o profissional deverá ser um bom vendedor, entender de finanças, DRE, balanço patrimonial e etc. 

Além de saber vender, colocar o produto em pé e escalonar, é necessário saber tudo sobre captar recursos, e não da para parar. Agora que eu entrei nessa trilha, sei que não paro mais, então eu vou ter que ser um profissional focado em captador de recursos.

Manoel, CEO da Arbo

E para entender mais sobre esta fase em que a Arbo vive hoje em relação a captação de recursos, assista o vídeo abaixo:

O caminho percorrido pela Arbo

A história e as vivências de uma empresa são importantes para o seu crescimento e amadurecimento, e, para afirmar isto, Manoel explicou: “se há um ano atrás a Arbo tivesse captado recursos, teríamos pulado uma fase extremamente importante, que é a de atendimento direto ao cliente, “barriga no balção”, como costumamos chamar por aqui. Só assim a gente entende a real dor do cliente durante a aquisição de um serviço imobiliário”.

Graças a este caminho, foi possível ter insights e criar soluções para melhorar a experiência do cliente durante uma transação imobiliária. E após viver diversas fases da captação de recursos no mercado de startups, Manoel conta que hoje compraria facilmente a sua ideia e aponta que a apresentação de um bom deck deve ser enxuto, assertivo, deve informar o básico e identificar os quatro motores de onde devem ser investidos recursos.

No trecho a seguir, Manoel conta como ele se sentiu no começo da jornada de captação de recursos:

O sonho grande

Durante todo painel, Manoel lembra que a cultura da Arbo é sonhar grande, e que, apesar das dificuldades, a startup escolheu olhar para esta fase como um copo cheio, pois é o momento em que é possível estruturar a empresa enquanto ela está no início de sua história.

“Nós entendemos que vai ser muita porrada, mas se a gente sair vivo desta, vamos sair muito mais fortes para alçar nossos sonhos grandes. Londrina tem capacidade dentro do mercado imobiliário e queremos representar a cidade muito bem, com o nosso modelo de escalonamento. Temos um CAC muito baixo, uma escalonagem rápida e muitos corretores na plataforma, então a gente consegue brigar de igual com nossos concorrentes, principalmente por termos recorrência da parte de vendas. O nosso sonho é grande e não temos vergonha de falar que eles estão fazendo um bilhão e a gente não (ainda), mas [o que não temos dúvida] é que em três ou quatro anos a gente vai incomodar pra caramba.”

Manoel Gonçalves, CEO da Arbo

Assista ao vídeo:

Para toda empresa, essa é uma fase de desafios e avaliação interna intensa, mas é uma das provas mais definitivas de que seu negócio funciona realmente, ou precisa ser revisto, repensado, e reavaliado. É sempre uma fase de crescimento e uma oportunidade de levar seus produtos ou serviços para um patamar além.

Saiba mais sobre o modelo Arbo de negócio e visite nosso site www.arboimoveis.com.

One thought

Deixe uma resposta