27 de setembro de 2021

Metas pessoais: como comprar uma casa

metas-pessoais

Comprar uma casa está no topo da lista de metas pessoais de muitos de nós. Veja o que fazer para atingir esse objetivo com mais facilidade!

Comprar uma casa ainda é uma das principais metas pessoais de milhões de brasileiros. Os imóveis são vistos como o pilar fundamental para uma vida mais segura e estável, o ponto que marca uma grande conquista. Para realizar esse objetivo, é essencial ter um bom planejamento desde cedo.

Por isso, listamos neste artigo alguns pontos importantes que você deve considerar até reunir condições de adquirir um imóvel. Você verá que é necessário, por exemplo, saber controlar suas finanças em vez de ser controlado por elas. Em seguida, conhecerá as formas mais comuns de comprar um imóvel e o melhor jeito de encontrar a casa ideal. Confira!

Aprenda a guardar dinheiro para suas metas pessoais

Realizar as metas pessoais exige disciplina e força de vontade para executar um planejamento de longo prazo, especialmente se o objetivo é comprar uma casa. Por isso, analise suas condições de vida atuais e o tipo de apartamento que faz sentido para você. Em seguida, estabeleça um prazo para juntar ao menos o dinheiro necessário para pagar a entrada, caso opte por um financiamento. 

Antes disso, é interessante formar uma reserva de emergência, guardando um valor suficiente para pagar as suas contas por ao menos seis meses. Dessa forma, você terá uma boa proteção contra os imprevistos. 

Também é bom ter uma planilha para registrar todos os seus gastos e comparar com o que você recebe a cada mês. É bem provável que você identifique despesas supérfluas, como uma assinatura que não é tão utilizada ou um plano de internet acima do que é realmente necessário..

Fique de olho também naqueles pequenos gastos motivados por impulsos ou por hábitos prejudiciais, pois eles se tornam grandes obstáculos na busca pela estabilidade financeira. Você não precisa abrir mão de tudo, mas é interessante reavaliar o que realmente vale a pena.

Entenda as formas de pagamento

Existem pelo menos duas formas muito comuns de comprar um imóvel: consórcio e financiamento. Neste tópico, vamos abordar os detalhes de cada uma para que você pense em qual se encaixa melhor ao seu momento atual:

Como funciona um consórcio imobiliário

financiamento imobiliário

O consórcio é um tipo de poupança em que várias pessoas que têm as mesmas metas pessoais contribuem todos os meses com um certo valor para formar um fundo. Esse fundo será utilizado para realizar o objetivo de todos os envolvidos ao longo de determinado período. Eles são oferecidos por empresas conhecidas como administradoras.

No caso do mercado imobiliário, entrar em um consórcio significa participar de um grupo com vários consorciados que também querem comprar imóveis. Ao mesmo tempo em que cada um paga sua contribuição mensal, os participantes vão recebendo cartas de crédito no valor do bem desejado. Ou seja, os próprios participantes financiam uns aos outros.

A ordem de recebimento é definida por sorteio até que todos tenham suas cartas de crédito em mãos. E esse sorteio é realizado em assembleias mensais. Entretanto, os participantes que conseguirem juntar algum dinheiro enquanto pagam suas parcelas podem optar por dar os chamados lances. Nesse caso, quanto maior o maior lance oferecido durante a assembleia, mais chances você terá de ser contemplado.

Os prazos costumam variar entre 10 e 15 anos, mas cada administradora pode determinar suas próprias regras. Um ponto de destaque é que não é necessário pagar um valor como entrada.

As parcelas de um consórcio são compostas por quatro itens:

Fundo comum

O fundo comum é o valor com que o consorciado contribui para a compra do imóvel. É a partir dele que a administradora compõe o valor das cartas de crédito entregues aos contemplados. Na prática, ele corresponde ao valor do imóvel desejado dividido pelo número de prestações do consórcio.

Fundo de reserva

O fundo de reserva é um valor adicional que a administradora guarda para lidar com possíveis imprevistos, como um caso de inadimplência entre os consorciados. Dessa forma, se algum integrante do consórcio não conseguir pagar as parcelas por um longo período, o dinheiro do fundo de reserva impede que os demais sejam prejudicados.

Vale destacar que a presença desse fundo de reserva não é obrigatória para todos os consórcios. Entretanto, por ser um recurso de segurança, a maior parte das administradoras opta por estabelecê-lo e os interessados precisam concordar com ele para poder participar do consórcio. 

Na maioria dos consórcios, o fundo de reserva equivale a 2% do valor da carta de crédito. Assim como acontece com o fundo comum, esse montante também é dividido pela quantidade de parcelas, representando uma parte bem pequena da mensalidade.

Outro ponto importante é que parte do valor pago em função do fundo de reserva volta para o consorciado. Isso acontece ao final do período do consórcio, quando a administradora faz um rateio do valor remanescente, ou seja, ela vê quanto dinheiro sobrou nesse fundo e o distribui igualmente entre os participantes.

Seguro 

Muitas administradoras também oferecem um seguro de consórcio. O propósito é que ele cubra o valor do crédito contratado em situações como morte do consorciado ou invalidez permanente, por exemplo. Dessa forma o titular da apólice e seus familiares ficam protegidos caso não seja possível manter os pagamentos. 

É importante ressaltar que o seguro de consórcio é um serviço opcional. Entretanto, se o grupo de consorciados optar por sua inclusão, ele deverá ser pago por todos os membros. A taxa do seguro costuma representar cerca de 0,2% do valor de cada parcela. 

Taxa de administração 

A taxa de administração é o valor que a administradora cobra pelos serviços de gerenciamento do grupo de consorciados. Normalmente, a taxa de administração é mais baixa que o valor do fundo comum e, assim como os demais itens, fica diluída entre as parcelas.

Certamente, o principal benefício de um consórcio é que ele dispensa análise de crédito e entrada. Entretanto, a velocidade em que você terá acesso ao imóvel depende dos sorteios realizados em cada assembleia. Você pode ser um dos primeiros contemplados, mas também pode ser um dos últimos, a menos que consiga propor um lance para agilizar isso.

Dadas as características, podemos dizer que o consórcio é mais interessante para quem não tem pressa. Mesmo que você tenha alguma dívida em seu nome, pode contratar o consórcio e regularizar sua situação enquanto não é contemplado, Nesse caso, você só precisa ter certeza de que conseguirá arcar com o valor das parcelas. 

Como funciona um financiamento imobiliário

calcular financiamento imobiliário

O financiamento é uma espécie de empréstimo em que o valor a ser pago é dividido em várias parcelas mensais. Ele é oferecido por vários bancos, que oferecem diversas linhas de crédito para atender a diferentes perfis de clientes e metas pessoais.

Quando fazemos um financiamento, o próprio banco é quem paga o valor do imóvel a quem está vendendo. Depois, ele espera que o cliente devolva esse valor acompanhado de uma taxa de juros. Na prática, isso significa que o imóvel pertencerá ao banco até que você consiga quitar todas as parcelas.

Por conta do risco que vai assumir na operação, os bancos costumam estabelecer certas regras para liberar o crédito. Geralmente, são analisadas a existência de restrições no CPF e o histórico de relacionamento do cliente com o banco.

Além disso, é normal os bancos exigirem um valor como entrada antes de liberar o crédito. Quanto maior a entrada, mais flexibilidade o cliente terá entre escolher um número maior de parcelas mais baixas ou um número menor de parcelas mais altas.

Antes de financiar um imóvel, é fundamental ficar de olho nas taxas cobradas pelo banco. Elas compõem o que chamamos de CET (Custo Efetivo Total) da transação. Em certos casos, elas fazem com que o valor a pagar seja muito mais alto que o preço original do imóvel, por isso, é importante comparar propostas de vários bancos.

As taxas mais comuns na composição do CET – e que precisam estar descritas explicitamente em qualquer contrato –  são:

Imposto sobre operações financeiras (IOF)

O IOF é uma taxa obrigatória e deve ser pago por pessoas físicas e jurídicas em qualquer operação financeira. Por isso, ela sempre estará presente em serviços de crédito, câmbio, seguros, entre outros.

Taxa de Abertura de Crédito (TAC)

Essa taxa não é obrigatória, mas muitos bancos a cobram para bancar os custos com os procedimentos de abertura do financiamento, como a análise de crédito.

Acompanhe as novidades do Blog da Arbo!


Cadastre-se e receba por e-mail nossa newsletter com tudo que você quer saber sobre imóveis. É grátis!

Seguros

É comum que algumas instituições financeiras incluam taxas de seguros em seus contratos. A ideia é cobrir os pagamentos em caso de morte ou desemprego do titular.

Taxas administrativas

As taxas administrativas englobam todo tipo de custo relacionado à manutenção de cadastro por parte do banco. Seu peso nos contratos varia bastante de acordo com a instituição escolhida. 

No caso do financiamento, a vantagem é que você pode obter o imóvel assim que o crédito for aprovado. Entretanto, para tornar todo o processo mais fácil e mais barato. é bom ter um bom valor para dar de entrada. Isso reduzirá até os juros cobrados pela operação. 

Outra maneira de conseguir condições melhores para atingir suas metas pessoais a partir de financiamentos é procurar vários bancos. Assim você consegue comparar as propostas e negociar para ver se algum deles consegue cobrir a melhor oferta.

Encontre o imóvel dos seus sonhos

Hoje a tecnologia já nos dá inúmeras ferramentas para ajudar a alcançar nossas metas pessoais. Na hora de pesquisar preços e características de imóveis, você encontrará muitas opções na internet. Uma delas é o portal Arbo Imóveis, que oferece um sistema de busca completo para você encontrar o imóvel que mais se encaixa em suas expectativas. 

Além de indicar o tipo de imóvel, você pode realizar a pesquisa pelo nome da cidade, do bairro ou da rua. Em seguida, é só usar os filtros para mostrar apenas as opções com as características exatas, como limite de preço, tamanho, número de quartos, banheiros e vagas na garagem.

Depois disso, você ainda consegue fazer uma proposta ou agendar uma visita direto pelo site, em poucos cliques. Acesse agora o Portal da Arbo e encontre seu novo lar!

Postagens relacionadas

cadastrar-imovel

O que o proprietário deve fazer na entrega de casas?

Antes da entrega de casas, é fundamental estar atento a uma série de disposições legais que garantem a boa convivência entre inquilinos e proprietários. Veja quais são elas! A entrega de casas para os inquilinos deve ser antecedida por uma série de procedimentos que asseguram direitos e deveres às partes envolvidas. São cuidados que formam […]

dicas para montar uma reserva de emergência

Reserva de emergência: como montar a sua?

Montar uma reserva de emergência é essencial para comprar um imóvel por meio de um financiamento imobiliário. Para não ter problemas com o pagamento das parcelas, confira as dicas que o Blog da Arbo trouxe nesse artigo Ter uma reserva de emergência é essencial para prevenir problemas financeiros, uma vez que imprevistos e acidentes acontecem […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *